Arquivos mensais: fevereiro 2016

Dica Executérrima: Beleza fresh


beleza fresh

Nada mais fresh que cabelos presos e make-up natural

Permanecer com a sensação de pele limpa e fresquinha pode parecer um grande desafio no verão. Mas não é! Basta você carregar zero na maquiagem: que tal trocar a base e o pó por um protetor solar com cor, já no tom de sua pele? Há excelentes produtos no mercado. Sombra e blush: invista em cores neutras. O iluminador, seja líquido ou em pó, também não pode ser esquecido. Se aplicado corretamente, deixa a pele incrível. Já a escolha do batom, fica por sua conta, de acordo com o seu tom de pele: nude, rosa e até um vermelho mate, sem excessos. Escolha o que mais gostar e manda bala! Para ajudar a deixar o look fresh, prenda o cabelão fazendo um rabo de cavalo. Fica perfeito para o escritório. Se quiser acabar com frizz dos fios da frente, use pomada ou gel. Como sugestão, confira a imagem abaixo!

beleza fresh2

Remédio para autoestima


Olá, executérrimas. Tudo bem?

Hoje temos mais um artigo de nossa Parceira Zora Viana, fundadora e CEO da Consultoria Atitude Emocional.

O artigo trata de uma questão sensível e bastante atual – a autoestima, tema que vem ao encontro do objetivo do Executiva: melhorar a imagem da executiva e, por consequência, sua autoestima.

É para ler, pensar e agir!

Beijooooooo!

Fabi Gragnani

—————————————————————————————————————————————–

autoest

Remédio para autoestima

Olá, gente de Atitude!

Quem me segue nas mídias sociais já sabe o quanto eu prezo pela autoimagem, especialmente, porque sei o quanto ela está atrelada à autoestima, não é mesmo? É por isso, que hoje resolvi discutir um pouco sobre isso por aqui. Afinal, é um remédio ótimo para dar um up na percepção de si!

Há um tempo, li o livro “Capital Erótico” da Catherine Hakim, que como todo livro tem coisas úteis e outras nem tanto. O que me chamou mais atenção foi esse trecho: “Os estudos realizados por psicólogos sociais abrangem as habilidades negligenciadas em pesquisas que focam apenas a atratividade física. Esses estudos avaliam o conforto e a competência das pessoas em situações sociais, empatia, influência, quantidade de sorrisos, efetividade persuasiva, expressividade facial, ausência de ansiedade social e (falta de) reticência.

E o que tudo isso tem a ver com autoestima? Se existem cada vez mais estudos que relacionam sucesso profissional com estar bem consigo e suas habilidades, será que estamos cuidando da nossa capacidade de gostar de nós mesmos? Por que autoestima é exatamente isso. Pare para refletir, o quanto você zela pela sua autoimagem? Se você for dar uma nota de 0 à 10, qual nota seria?

Eu não defendo um padrão ideal, apesar de saber que o mundo possui alguns padrões pré-definidos e muitas vezes temos de abrir mão de alguns gostos para nos encaixar (não adianta bater o pé, tem coisas que a gente não muda sozinho, por exemplo: um ambiente corporativo estar relacionado a roupas mais sociais). Minha defesa é para você se sentir bem e ir em busca do sucesso na sua vida! Para tanto, você pode praticar:

1. Autoanálise

Perceba como você está fisicamente, o que gosta e não gosta em você. Você pode usar como referência suas metas pessoais e profissionais para perceber o que precisa ser mudado (se precisa!).

2. Autopercepção

Identifique se o que não gosta em você é uma opinião sua ou dos outros. Porque se for fazer alguma mudança, precisa ser por você e seus objetivos.

3. Mudanças reais

Do que você identificou que precisa mudar ou melhorar, procure uma alternativa real para fazer isso. Quero dizer real, como aquelas mais naturais e que não agridem você emocionalmente e fisicamente. Cirurgias são boas, mas nem sempre vão te ajudar a melhorar a imagem que tem sobre você.

Alguns exemplos de mudanças que vejo em meus processos de coaching e orientação pessoal são: mudança no jeito de se vestir, cuidar das emoções, saber valorizar seus talentos e habilidades, de falar, se comportar, cuidar do cabelo, do rosto, do corpo, tudo alinhado com os objetivos individuais dos meus clientes.

Espero que gostem dessas dicas e tenham atitude para melhorar cada vez mais a autoestima de vocês!

Com amor,

Zora Viana

Psicóloga, Coach e Palestrante

 

Seu intestino vai bem? – Parte I


Olá, executérrimas!

Hoje temos o primeiro artigo de nossa parceira Dra. Raquel Pimentel, nutricionista com especialização em Nutrição Clínica Funcional pelo Centro Valéria Paschoal de Ensino (CVPE) e em Vigilância Sanitária de Alimentos pela Faculdade de Saúde Pública da USP.

O artigo trata de um tema que aflige a maioria de nós mulheres: o intestino. Não conheço uma que não tenha sofrido em decorrência desse assunto…

Espero que gostem!

Beijooooooo!

Fabi Gragnani

—————————————————————————————————————————————–

corpo, mulher, magra, m„os, barriga

Seu intestino vai bem? – Parte I

As alterações no funcionamento intestinal são mais comuns do que se imagina. A maioria das mulheres sofre com intestino preso e o mal-estar que isso causa. A prisão de ventre ou obstipação intestinal pode ter várias causas como, por exemplo, hábitos alimentares inadequados, mudança de ambiente e viagens, cansaço físico e mental, uso de medicamentos (antiácidos, antidepressivos, diuréticos, abuso de laxantes), gravidez, doenças intestinais, entre outras. E esse problema reflete-se em nosso humor, na beleza da pele e do cabelo, além de nos deixar sem energia.

A cada dia, novos estudos sobre o intestino demonstram a importância desse órgão para a nossa saúde. E não é para menos. Ele é considerado o segundo cérebro, compõe dois terços do sistema imunológico, produz vários hormônios, absorve nutrientes e água, ajuda na eliminação de toxinas e substâncias não aproveitadas pelo nosso organismo.

O equilíbrio entre as diferentes espécies de microrganismos que compõem a microbiota (flora intestinal) é o que determina a sua saúde e o que vai propiciar o bom funcionamento do intestino. Já a disbiose, nome dado ao desequilíbrio da microbiota, acontece quando as más bactérias dominam o ambiente. Há muitos fatores que podem favorecer tal desequilíbrio, entre eles, algumas infecções, uso de antibióticos, estresse ou mesmo a dieta.

O mais importante é saber que uma dieta balanceada e variada em fibras vegetais está associada à maior diversidade de bactérias no intestino favorecendo o equilíbrio. Algumas fibras, as chamadas prebióticas, estimulam e facilitam o crescimento e a atividade das bactérias benéficas da microbiota, como as bifidobactérias e os lactobacilos. Elas estão presentes em alimentos como a alcachofra, aspargos, chicória, endívias, alho poró, cebola, banana/biomassa de banana verde, batata Yacon, beterraba, cereais integrais (aveia, centeio, trigo), entre outros.

Incluir alimentos probióticos na dieta, como iogurtes e leites fermentados, também contribui para a saúde intestinal. Ajuda a eliminar as bactérias ruins, produz substâncias fundamentais para nutrir a mucosa do colón, auxilia na digestão e ajuda no tratamento da obesidade, diabetes, câncer, candidíase, depressão, acne, inflamações intestinais.

Então o que fazer para ter um intestino saudável? Incluir na alimentação do dia a dia alimentos ricos em fibras (frutas, legumes, verduras, cereais integrais), manter uma ingestão de líquidos adequada (30ml/kg/dia – preferencialmente água, água de coco, chás) e consumir alimentos prebióticos e probióticos. Os prebióticos e probióticos podem ser suplementados na forma de sachê e cápsulas, consulte o seu médico ou nutricionista para um atendimento personalizado.

A prisão de ventre ou obstipação intestinal é muito comum entre as mulheres e indica, na maioria dos casos, a falta de alimentos ricos em fibra na dieta e a ingestão insuficiente de líquidos. Mas você não precisa sofrer com esse tipo de problema, há dicas simples e receitas que podem ajudá-la! Quer saber quais são elas? Vamos tratar do tema no próximo post, não perca!

Dra. Raquel Pimentel

rcs-pimentel@uol.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...